Habitação e comércio na Costa de Caparica (I), Almada, 1998-...

Apartments and shops in Costa de Caparica (I), Almada, 1998-...

 1   2  3  4  5   6  7

A primeira versão -- bloco lâmina com 12 pisos, paralelo ao mar e libertando todo o terreno atrás para uma pequena praça de conclusão à Rua dos Pescadores -- não recebeu consenso municipal.

A inteira frente atlântica da Costa de Caparica precisaria de um plano inventivo, moderno, aberto ao futuro e de uma percepção urbana e turística diferentes, já que se poderiam libertar novos sentidos em localização de tão forte potencial paisagístico mas de tão desinvestida expressão arquitectónica.

Não será com ingénuas e paroquiais limitações de cérceas que se poderá esperar um bocado de cidade capaz de dar resposta às múltiplas contradições que atravessam o pacto social contemporâneo; omitir densidades ou índices de referência só poderá redundar num "engrossamento" de blocos vagamente respeitosos, impedindo, na prática, soluções agilizadas que possam afastar as várias propostas da implacável "pragmática" corrente.

Enquadrámos o edifício na "moda" do "troço homogéneo" a que respeita, fixando um "L" de modo a configurar, com animação comercial, a desejada "praça" que ajudará a finalizar, com alguma elegância, a pedonal Rua dos Pescadores, movimentado eixo da vila.

Na frente de mar, um "entrançado" de betão envolve um generoso conjunto de varandas --  segundas "salas" para cada um dos pequenos apartamentos de praia que constroem o bloco.

Um "intervalo" nessa moldura, a sul, acolhe um momento de comércio mais excepcional em diálogo com o lado oposto da Rua dos Pescadores, marcando o seu remate.